Directamente de Palermo, um olhar Encarnado e Vigilante sobre a actualidade do Nosso Clube e sobre o futebol Português em geral.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Sinceramente..

Depois do desaire de Israel, e fazendo jus à sua fama, a comunicação social já começou numa serie de funerais aos jogadores do Benfica e ao seu treinador. Escusado será dizer que é mais do mesmo, quando se ganha somos os melhores do mundo, quando se perde os jogadores já não prestam e o treinador tem o seu lugar em risco.
Nao sou daqueles que pede a cabeça de ninguém, não preciso justificar o trabalho de quem lá está pois confio nas capacidades de cada um e o ano passado foi prova disso. Agora falta de empenho e entrega? Isso sim é criticável.
A maneira como JJ tem abordado os jogos é de uma falta de coerência incrível, continuar a insistir em jogadores claramente fora de contexto, com absurdas inconsistências, e o resultado está à vista. Não percebo nem sei o que se passa dentro do balneario mas uma coisa é certa, a união que se viu no ano passado há muito está ultrapassada. Nao há sorrisos, nao há alegria, o semblante do treinador e consequentemente de alguns jogadores é o de alguem que está rendido às evidencias. A sua aura está cada vez mais diminuta, ja não o vemos de peito feito contra os adversários, em suma JJ está esgotado. Por muito que queira e tente agilizar com palavras o seu estado de espirito, é obvio que algo se passa no seu consciente.
Relativamente aos jogadores, algo semelhante se passa. É incrível ver David Luiz ou Saviola descrentes das suas capacidades, Maxi completamente fora de forma e Gaitan absurdamente fora do contexto europeu. Felizmente ainda temos Javi, Luisão, Fabinho que vão tomando conta de alguns fogos que aparecem mas claramente não são suficientes. No ataque, já não há aquela fome de golo, criamos jogo ofensivo mas oportunidades de golo claras nem vê-las.
Temo que o nosso pesadelo ainda não acabou, falta muito para a época acabar mas não vejo como e quando poderemos reerguer a cabeça e lutar. Nem mesmo com a pausa natalícia e consequentemente reabertura do mercado. As lacunas são evidentes, haverá esforço e vontade para as suprimir? Espero que sim. E não será com certeza com a compra de mais x avançados.
Sinceramente.. A chama jogadores/treinador desvaneceu!

2 comentários:

Claudio Ramos disse...

Subscrevo em grande parte o teu post.
A falta de entrega e a descrença de alguns jogadores da sua qualidade é inegável e deste óptimos exemplos disso mesmo... Este David Luiz não é o mesmo que o do ano passado... Vê-lo esta época é quase como ver o Gaspar do Rio Ave... E agonia-me ver esta forma de jogar de um dos jogadores mais talentosos e que mais promete do nosso campeonato.
Relativamente ao JJ, critico-o por não os ter no sítio em determinados jogos que entra para não perder, o exemplo mais evidente disso foi no estádios dos Andrades... E como consequência toda a equipa ressente-se e vê que o treinador entra com medo... Atemoriza tudo e todos esta atitude.

Tal como tu, não sou defensor de cabeças rolarem quando algo corre mal. É preciso sim, ser humilde o suficiente para ver o que falhou, o que falha e corrigir para que não aconteça mais isso. É preciso motivar o balneário e se no ano passado, achava que o JJ era muito bom a fazer isso, este ano não creio que seja assim (gostava que o Benfica, na mesma onda que a FPF quis fazer, pedisse ao Mourinho para vir dar uma mão, mas só para motivar os jogadores).

Tenho para mim, que o Benfica vai levantar a cabeça e conseguir ultrapassar este período menos bom, mas para isso não pode haver invenções nem cabeças a rolar, como em anos passados do qual foi uma vergonha ver um cemitério de bons treinadores e alguns bons jogadores.

Um bem haja ao Benfica e a chama nunca, mas nunca desvanece, apenas fica um pouco mais fraca...

Abraço

Observador disse...

Por muito que se justifique, ou queira justificar, o menor desempenho do Benfica com as saídas de Di Maria e Ramires, não se consegue perceber a diferença exibicional de uma época para a outra.
Há algo que me tem escapado.
Problemas de balneário, coisa tão comum aos maus resultados?
Não. Não vou por aí.
Gostava de perceber onde está e porque existe esta diferença.
Creio que é uma questão que deveria ser justificada por Luís Filipe Vieira e por Rui Costa.
Já agora, não seria descabido perguntar a Jorge Jesus o que lhe vai na alma e na cabeça.

Cumprimentos