Directamente de Palermo, um olhar Encarnado e Vigilante sobre a actualidade do Nosso Clube e sobre o futebol Português em geral.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Dia Feliz

Primeiro devido a isto, e depois a isto.

A imagem do jogo
Num grande jogo de futebol, principalmente na primeira parte, o Benfica disse a si próprio que queria marcar presença na Final da Taça da Liga, disse "basta!" ao infortúnio, acreditou que podia ganhar e com essa determinação venceu um jogo para homens de barba rija.

Destaques:

Maxi: Grande exibição, principalmente a atacar, dos pés e movimentação dele saíram o mote para aquilo que a equipa teria de fazer.

Luisão: Imperial, tudo limpou e lavou, e até esteve perto do golo por três ocasiões.

Witsel: Que jogador impecável! Elevado critério e esclarecimento na entrega da bola e movimentação, capacidade de luta e muito muito trabalhinho no meio campo.

Óscar Takura Cardozo: Meu querido pé esquerdo! Num lance em que bateu Mangala em velocidade (!) fez toda a diferença e com uma finalização cheia de fé levou o Benfica para a final.

Para Finalizar:

Ora cá estamos nós outra vez na Final de uma Competição que todos desdenham mas que ninguém se importava de ganhar.

A vitória de ontem, mais do que nos permitir chegar à Final, permite-nos chutar para canto recentes fantasmas e encher o peito de confiança para aquilo (muito) que falta jogar, era também um imperativo e os jogadores e equipa técnica sabiam disso.

Agora é recarregar baterias para o importantíssimo e dificílimo teste de sexta feira num campo em que o Benfica de Jorge Jesus nunca conseguiu vencer.

Força Rapazes!

3 comentários:

mrmg disse...

Boa imagem, foi mesmo isso...

Venham falar de falos engraçados aqui

http://aminhachama.blogspot.pt/2012/03/tomem-la-um-falo.html

Et Pluribus onum

Observador disse...

Para sexta feira a receita terá que ser a mesma, independentemente do adversário.

Só queremos ... três pontos e, porque não, uma nota artística acima da média.

ToElGordo disse...

Amigo Observador, eu nesta altura já me contento com vitórias, que os tempos não estão para extravagâncias.