Directamente de Palermo, um olhar Encarnado e Vigilante sobre a actualidade do Nosso Clube e sobre o futebol Português em geral.

domingo, 1 de abril de 2012

Na luta

O Benfica esteve a dois minutos de deprimir cabalmente as suas aspirações e o seu ânimo para tudo o que ainda resta jogar, mas a dois minutos daquilo que podia ser o fim, num assomo de crença, raça e muita muita classe, voltou a iluminar o caminho da glória enquanto a bola em souplesse corria para se anichar nas redes de Quim.



A primeira parte foi algo sensaborona, com o Braga muito recuado e o Benfica a tentar furar mas sem grande desenvoltura. Foi então sem muita surpresa que o intervalo chegou com um nulo no marcador.

A segunda parte foi melhor com o Benfica a jogar ao ataque e o Braga a aproveitar algum desequilíbrio e falta de frescura do nosso meio campo para lançar contra-ataques perigosos. O Benfica apesar de forçar o ataque, nunca parecia o fazer de forma objectiva, fruto do posicionamento do Braga e de uma evidente falta de frescura física e de explosão que se compreende à luz das muitas e difíceis batalhas que temos travado. Parecia óbvio que o golo a surgir, só surgiria de bola parada ou de algum lance de génio, engraçado que foi exactamente destas maneiras que marcámos os nossos golos, e assim no fim o Benfica foi para casa cansado mas contente e motivado para tudo o que vem.

Destaques:

Capdevilla: Não que tenha feito grande jogo, mas quando tem a bola nos pés ninguém sustém a respiração à espera que algo vá falhar, é neste momento energia positiva de dentro para fora e de fora para dentro, Jesus não nos faças mais "isso" do Emerson...

Witsel: Olha quem é ele, o senhor que anda sempre por aqui, é um mimo vê-lo jogar, guardar a bola, entregá-la redondinha, critério, inteligência e sangue frio na hora de marcar o penalti, tudo!

Bruno César: Não fez um jogo enorme, apesar da muita luta, mas é sobre ele que é cometido o penalti que nos dá a primeira vantagem e é ele numa finalização deliciosa que nos dá a vitória final.

Nico Gaitán: Grande, grande jogo do Argentino, dos 0 aos 90 minutos sempre com o turbo ligado a tentar dinamizar o ataque e a roubar bolas ao adversário ajudando a defesa. Precisamos sempre de ti assim, Nico.

Para finalizar:

O Benfica precisava de uma vitória assim para transformar as fraquezas em forças e a descrença em confiança. Este é o prémio justo para a equipa que sempre procurou mais a vitória e que nunca deixou de acreditar.

Cinco vitórias no que resta do Campeonato, és capaz, Benfica?

2 comentários:

Observador disse...

Um verdadeiro jogo de futebol.

Equipas dignas uma da outra, com uma arbitragem (João Ferreira) sempre bem.

Assim dá gosto ir à bola!!!

A partir de agora, cada jogo é uma final. Até porque temos o Porto e o Braga - olha que dois - a morder-nos os pés.

Saudações benfiquistas.

ToElGordo disse...

Foi bem apertadinho o jogo, foi um azar do camandro ter levado aquele golo, mas tudo acabou bem!

Os próximos dias serão de decisão!

Saudações Benfiquistas!