Directamente de Palermo, um olhar Encarnado e Vigilante sobre a actualidade do Nosso Clube e sobre o futebol Português em geral.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Bazófia

Ano após ano, num movimento perpétuo. O que ganhámos até agora foi absolutamente nada e, como tal, não percebo todas as entrevistas, declarações e sorrisinhos na cara. Óbvio que é melhor estar em primeiro que estar em segundo ou mesmo em décimo primeiro e devemos estar contentes com isso, mas uma coisa é estar contente e outra é andar em festas e trocar o habitual e, já agora, recomendável silêncio por tudo isso que até agora durante todos estes anos tem provado ser uma estratégia errada. Aliás, não foi com entrevistas e pequenos momentos de bazófia que chegámos ao lugar em que nos encontramos neste momento, pelo que não se percebe a reincidência estúpida nos lugares comuns de muitos anos.
Dizem que querem errar menos, mas eu não acredito. Se fossem espertos começavam pela língua!

5 comentários:

v.maria disse...

Na vida se olharmos demasiado para trás e demasiado para a frente arriscamo-nos a perder o presente.
Não me parece nada abusivo ou pouco sensato respirar confiança, transmiti-la, falar dela, e disfrutar o momento. Sim, não ganhámos nada. E então, porque razão não havemos de estar contentes? Eu escolho estar contente, como escolho festejar cada golo, cada vitória! Escolho o momento presente e não pensar, ai, ai que isto não interessa, que o plantel é curto, que o treinador é imbecil, que a tática é suicida, que a liderança é a prazo, blá, blá, blá!

ToElGordo disse...

Discordo. O passado existe para compreendermos o presente e projectarmos o futuro. Se as acções do passado, nesse passado, redundaram em maus resultados há que garantir e fazer de tudo para que isso não aconteça. Se assim não fizermos é sinal que não aprendemos com os erros e isso é simplesmente burrice. Você e eu podemos festejar, somos adeptos e isso faz parte, mau era se não fizesse. Mas quem tem responsabilidades tem outros deveres, digo eu.

Cumprimentos

B Cool disse...

Não era o Einstein que dizia que fazer as coisas da mesma forma e esperar resultados diferentes era sinal de insanidade ?

ToElGordo disse...

Era. E acho que usou insanidade como eufemismo.

B Cool disse...

Isso já não sei, mas pareceu-me que existia lugar para essa analogia